Treinando a mente – Dalai Lama

Do livro Transformando a Mente – Dalai Lama:

A chave para transformar nossos corações e nossas mentes é ter uma compreensão sobre a maneira que os nossos pensamentos e emoções funcionam. Nós precisamos aprender a como identificar os lados opostos em nossos conflitos internos. Por exemplo, com relação à raiva, nós precisamos ver como a raiva é destrutiva e ao mesmo tempo precisamos compreender de forma correta que existem antídotos dentro de nossos próprios pensamentos e emoções que nós podemos usar para contrapor à raiva. Portanto, primeiramente, por compreender que pensamentos e emoções aflitivas são destrutivos e negativos, e depois ao tentarmos reforçar nossos pensamentos e emoções positivas, que são os antídotos, nós podemos gradualmente reduzir a força de nossa raiva, ódio e assim por diante.

Todavia, quando nós decidimos trabalhar com nossa raiva e ódio …. É necessário fazer um esforço combinado para seguirmos uma disciplina consciente a qual aplicamos em toda a nossa vida para reduzir a força da raiva e incrementar o seu oposto, que é o altruísmo. Este é o modo para se disciplinar a mente. A introspecção é a maneira pela qual examinamos como os pensamentos e as emoções nos surgem. … Segundo a filosofia budista, muitas delas surgem a partir de hábitos e carmas do passado, que fazem surgir a propensão de pensar e sentir de um indivíduo. Qualquer que seja a razão, o fato é que muitos pensamentos e emoções surgem em nós, e quando nós os deixamos sem exame ou controle, estes nos conduzem a problemas indescritíveis, crises, sofrimento e miséria. É por esta razão que precisamos adotar a disciplina consciente sobre a qual falamos anteriormente. Para podermos reduzir o poder de uma emoção negativa como a raiva ou o ódio, nós devemos encorajar o seu antídoto, que neste caso são o amor e a compaixão. (Outros exemplos de antídotos: agarramento/apego – feiúra, orgulho – procure pelo Eu nos agregados, ignorância – vacuidade/ausência de auto-existência inerente). Não é suficiente reconhecermos que isto é que se faz necessário, assim como também não é suficiente que desejemos que o amor e a compaixão cresçam em nós. É necessário que façamos um esforço sustentado e contínuo para cultivarmos os nossos aspectos positivos internos, e a chave aqui é familiarizar-se constantemente com estes aspectos. A natureza dos pensamentos e das emoções humanas é tal, que quanto mais nos engajamos nelas, e quanto mais às desenvolvemos, mais poderosas elas se tornam.

Portanto, nós temos que desenvolver o amor e a compaixão de forma consciente para incrementar a sua força. Nós estamos na verdade falando sobre uma maneira de cultivar hábitos que são positivos. Nós fazemos isso através da meditação.

Do livro Transformando a Mente – Dalai Lama