Entregue-se ao que é – Osho

Observe sua mente… Quantos desejos…

Osho diz:

Destrua totalmente a ambição, porque a menos que a ambição seja destruída, você permanecerá na miséria. A ambição é a fonte de todas as misérias. E o que é ambição? Ambição significa que você nunca está satisfeito com aquilo que você é, seja lá o que for. Isso é ambição. Então você permanecerá miserável, porque você não pode ser outra coisa. Você só pode ser você mesmo. Tudo o mais é fútil, prejudicial, perigoso. Você pode desperdiçar a sua vida inteira, toda a sua existência.

Continuar lendo Entregue-se ao que é – Osho

A entrega ou não resistência – Eckhart Tolle

A entrega, ou seja, o abandono de qualquer resistência mental e emocional ao que é, também é um portal para o Não Manifesto. A razão disso é simples, já que a resistência interior nos isola das outras pessoas, de nós mesmos e do mundo à nossa volta, fortalecendo a sensação de separação da qual o ego depende para sobreviver. Quanto maior a sensação de separação, maior a nossa dependência do manifesto, do mundo das formas separadas. E quanto maior a ligação com o mundo das formas, mais dura e impenetrável será a nossa identificação com a forma. O portal é fechado e somos afastados da dimensão interior, a dimensão do profundo. No estado de entrega, a nossa identificação com a forma se dissolve e se reveste de uma espécie de “transparência” e, assim, o Não Manifesto consegue brilhar através de nós.

Continuar lendo A entrega ou não resistência – Eckhart Tolle

Não consigo entender como alguém pode se entregar ao sofrimento

P: Não consigo entender como alguém pode se entregar ao sofrimento. Como você já mencionou, o sofrimento é a não-entrega. Como poderia me entregar à não-entrega?

R: Esqueça a entrega por um instante. Quando a sua dor é profunda, tudo o que se disser a respeito de entrega vai, provavelmente, lhe parecer superficial e sem sentido.

Continuar lendo Não consigo entender como alguém pode se entregar ao sofrimento

Medo, ansiedade e aceitação.

“Estou ciente do medo que está quase continuamente em mim, os meus pais foram sobreviventes do holocausto e apesar da minha consciência da ansiedade e medo, isso não parece diminuir. Eu sei que você fala sobre que em qualquer momento nunca há um problema, mas quando você está aterrorizado, em todo o momento há um problema porque você está com medo.”

Acontece de estar aqui e, é claro isso está conectado em apenas estar sendo falado agora, esse é alguém aqui que em muito do tempo está no estado de medo ou ansiedade, isso poderia estar relacionado a alguma coisa no seu passado ou aos seus pais ou talvez em outras gerações também.

Continuar lendo Medo, ansiedade e aceitação.

Aceitação de todas as coisas que a vida oferece

A mágina da aceitação

  • No trecho abaixo Ela e Esta pessoa se refere a pessoa do Tao.

Quando a sua vida está sombria, repleta de dificuldades e preocupações, ela percebe isto e não o ignora. Esta pessoa diz “sim” para a vida da maneira que ela se apresenta. Ela aceita os lados sombrios da mesma maneira que os iluminados. Ela se identifica com o seu medo ao invés de reprimi-lo ou passar por cima dele através de mecanismos de fuga. E assim, ela adquire poder sobre o medo. Esse medo some da vida, justamente por não ter medo do medo.

Veja, caro leitor, este é o segredo. Através da aceitação de todas as coisas que a vida oferece, a pessoa do Tao nunca entra em conflito com a realidade. Ela observa os processos sem querer mexer neles ou modificá-los com os pensamentos.

A mudança – e é importante saber isto – influi por si mesma em toda a enorme inteligência do Tao. Não temos de gostar de tudo que ocorre em nossa vida, o que enxergamos objetiva e honestamente. Podemos deixá-lo também completamente sem comentários. Nossa inteligência, existente em nossa compreensão, reconhece as coisas desagradáveis, os problemas, os conflitos, antes mesmo que eles cheguem à consciência. Por isto não tem sentido ter idéias, com nossa capacidade limitada, de como deve ser a vida, e depois nos prendermos a elas.

As forças do Tao querem fluir livremente e sem obstáculos. Com qualquer medida de iniciativa própria só estaríamos contrariando o efeito. Além disso, nossa própria ação espontânea só seria acelerada por esta criatividade excepcional, de maneira que nossa vida já toma um rumo bem diferente do que o atual em conseqüência desta energia propulsora.

De maneira geral: procure lembrar o que foi importante para você na vida até hoje. Se os seus sonhos se realizaram, ou se você sempre foi capaz de tomar as decisões certas. Se você for sincero, constatará que desejos não realizados raramente causaram danos; muito pelo contrário: às vezes foi até bom que um desejo não se realizasse. Bem mais decisivo na vida de cada pessoa são as conseqüências das decisões que ela toma. Nestes casos, os erros podem ter uma conseqüência devastadora para o resto da vida, e a ação correta pode ser uma enorme bênção.

Do livro WU WEI – A ARTE DE VIVER DO TAO – Theo Fischer

Correndo atrás do próprio rabo – o problema da não aceitação

Tentar tornar-se quem você gostaria de ser é como um cachorro correndo atrás do próprio rabo. Conforme você corre em direção ao seu objetivo, o seu objetivo corre de você. Tornar-se quem você gostaria de ser pode ser mais facilmente alcançado ao querer ser quem você é. Se a cauda de um cachorro coça ele somente esfrega ela. Ele não se incomoda perseguindo ela. A perseguição da cauda acontece quando o cão nota um pedaço da cauda e não percebe que essa cauda é parte dele mesmo. Querer ser outra pessoa além de si mesmo é o resultado de não saber realmente quem você é.

Você não pode dizer quem você é olhando para suas circunstâncias. As circunstâncias da vida mudam o tempo todo. Você pode definir metas, aprender coisas novas e criar hábitos diferentes. Você pode mudar seu visual, o que come, quem são seus amigos, mas continuará sendo você mesmo. Suas circunstâncias, como a cauda de um cachorro, são somente um extensão sua, mas não tão presas como uma cauda de verdade. Para mudar o foco das suas circunstâncias para você mesmo, é preciso que você pare e olhe para o que você é.

Não é fácil parar. Ao perseguir seu rabo por tanto tempo você fica tonto. Quando você para, o mundo continua girando. Esse giro são os seus pensamentos indo para todos os lados. Quando você para e observa seus pensamentos é preciso ter paciência e somente deixar esses pensamentos girando até que a tontura passe. Seus pensamentos vertiginosos são cheios de opinião, gosto e não gosto, desejos e preocupações. Deixe-os girar. Você não precisa gostar de si mesmo nesse exato momento, mas também não é preciso não gostar de você mesmo. Não gostar de você mesmo é mais vertigem. Tentar gostar do que você não gosta é também vertigem.

Quando você é paciente com seus pensamentos, circunstâncias, amigos, família e com você, então pode descansar, como um filhote aconchegado com o nariz embaixo da cauda. Ainda não ficará claro o que você é, mas esse ” o que” continuará a intrigar você. O que há para não gostar?

TRADUZIDO DE ZEN MISTER COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR – CHASING YOUR TAIL

Aceitação e pensamento compulsivo

Ontem me peguei pensando sobre a aceitação. Sobre como pode ser libertador simplesmente aceitar o momento, as coisas que acontecem, as pessoas e tudo mais. Foi por um momento breve…

E hoje encontrei esse trecho:

“A forma mais rápida de tornar-se livre do pensamento é ainda render-se ao momento, aceitar este momento como ele é, porque se você observa o processo de pensar compulsivo, descobre que sempre está associado à não-aceitação. A não-aceitação é a característica essencial do estado egóico criado na mente – a não-aceitação do agora.

E toda a compulsão realmente é uma fuga, é o negar da beleza e da vida do agora. Quando você vê a verdade disso, pode aceitar este momento como ele é. É um estado de grande força – não de fraqueza, como a mente pode dizer-lhe, exceto que há um efeito colateral dessa aceitação, a mente deixada de fora, porque quando você não está lutando com o que é, a compulsão para pensar cessa.Isso é algo que requer continuidade da prática espiritual. Muitas vezes você não aceita o que é e então percebe que está novamente negando o agora. E essa percepção está certa, quando você vê a não-aceitação, já está livre dela. Quando você não vê a não-aceitação, então fica novamente preso em todo o ruído mental, porque não está aceitando o que é.

Assim, a mais poderosa prática espiritual é aceitar este momento como ele é. Aceitação descomprometida deste momento como ele é. É por isso que grandes mestres às vezes parecem tão aterradores, embora sejam gentis internamente, na realidade. Olhando velhos retratos ou fotos de grandes mestres, seus olhos são tão aterradores. Sim, descompromissado agora, sim, não movendo, estando aberto. E este estado é tanto gentil quanto aterrador, ambos ao mesmo tempo. Então essa é a prática espiritual mais poderosa e é realmente a única prática espiritual que não lhe dá tempo (riso). Há tantas práticas espirituais que lhe concedem tempo para tornar-se um bom adepto, praticar mais e mais, gradualmente. Mas aceitar este momento como ele é, você só pode fazê-lo agora. “

link http://autoconhecimento.valzacchi.com.br/eckhart.htm