A Grande Obra – Como Identificar E O Que Fazer Com O Orgulho, A Inveja, A Raiva E A Culpa

A GRANDE OBRA é uma abordagem diferente sobre a interferência negativa que algumas emoções podem ter no comportamento e nas relações interpessoais, a ponto de destruir sonhos e projetos de vida. Busca contribuir para que as pessoas identifiquem essas emoções em si mesmas e transformem-nas em sentimentos, primeiro passo para seu manejo e direcionamento.

Não pretende ser um livro de autoajuda, mas sim de divulgação de informações que auxiliem na difícil tarefa do desenvolvimento pessoal contínuo.

O que se propõe é a realização de uma espécie de alquimia interior para o manejo dessas quatro emoções – “A Grande Obra”, a propósito, é uma das denominações dadas à alquimia.

Escrito por um psiquiatra de reconhecida visão pluralista e integradora das neurociências, em linguagem acessível e ilustrado com relatos de caso inspirados em histórias reais, sua leitura permitirá novos olhares sobre esses quatro sentimentos após um mergulho interno, profundo e absolutamente necessário a todos.

Um dos locais de venda: Saraiva

Frequentemente entro em pânico e receio que possa enlouquecer.

O ganso chamado consciência

Pergunta: Frequentemente entro em pânico e receio que possa enlouquecer.

Osho: A coisa básica a ser entendida é que você não é a mente – nem o lado brilhante nem o lado obscuro. Se você ficar identificado com a parte bela, então é impossível se desidentificar da parte feia, são dois lados da mesma moeda. Você pode tê-la toda, ou você pode jogá-la toda fora, mas você não pode dividi-la.

Toda a ansiedade do homem é que ele quer escolher aquilo que parece bonito, brilhante; ele quer escolher todo o forro prateado, deixando a mancha negra para trás. Mas ele não sabe que o forro de prata não pode existir sem a mancha negra. A mancha negra é o fundo, absolutamente necessário para que o forro prateado apareça.

Escolher é ansiedade.

Escolher é criar problemas para você mesmo.
Continuar lendo Frequentemente entro em pânico e receio que possa enlouquecer.

Ansiedade, medo e paz

Se você está ansioso na hora que vai dormir, pode acontecer de sonhar que está caindo. Nos sonhos a ansiedade persistente se transforma em medo. Fazemos a mesma coisa quando estamos acordados. Sentimos essa ansiedade persistente e pensamos em uma situação que nos causa medo. Essas situações são circunstância da vida. Existem bilhões de circunstâncias na vida. Sempre uma está disponível para que nosso foco cair sobre ela e criar algum tipo de medo.

Se estamos tendo alguma dificuldade para encontrar algo para ter medo, as pessoas a nossa volta ou os meios de comunicação nos darão muitas sugestões assustadoras. É agradável quando podemos colocar nosso medo em uma situação num futuro próximo. Assim nos sentimos com preocupação extra até passar e assim podemos nos sentir aliviados desse medo. Conseguimos um tempo. É bom quando sentimos medo de algo que podemos controlar. Assim podemos fazer algo a respeito disso. Podemos estudar para a prova, ou correr de um urso.

O medo sempre tem um objeto. A ansiedade só o produz.  Criar medo é um escape da ansiedade. Embora posso temporariamente aliviar a ansiedade, continuar criando medo aumenta a ansiedade. Quando reconhecemos que ansiedade é parte da nossa vida, podemos ver que nossos medos são expressões de nossa ansiedade e objetos de nossa atenção. Podemos usar essa atenção para nos ajudar a encontrar paz. Podemos reconhecer nosso medo e encarar a ansiedade de base reafirmando a nós mesmo que somos importantes, que temos valor e que estamos vivos.

Se você tem uma prova, estude. Se encontrar com um urso, corra. Se sentir medo, esteja consciente disso e isso lhe dará paz. Os medos podem continuar surgindo das profundezas da ansiedade, mas conforme você pratica observar esse surgimento, poderá ver de onde eles surgem e criar alguma paz.

Traduzido com autorização do autor.

Qual a diferença entre meditação, concentração e contemplação ?

Essa instrução de Albert Low é cheia de clareza, é maravilhosa! Muita gratidão aos tradutores. Aproveite a leitura:

Qual a diferença entre meditação, concentração e contemplação ?

Autor : Albert Low

Uma pessoa pergunta : Todos os professores aconselham a prática da meditação. Qual o objetivo da meditação ?

Não uso a palavra meditação da mesma maneira em que é usada de maneira geral. A maioria das pessoas entendem o Zen como um treinamento de meditação.

As pessoas perguntam : Você ensina meditação no centro zen de Montreal? Respondo que sim.

Continuar lendo Qual a diferença entre meditação, concentração e contemplação ?

Livro Alegre sabedoria – indicação de leitura para pessoas com ansiedade

Ansiedade e medo são uma constante na vida de muitos, na minha experiência em particular sempre foi, hoje com a busca que venho fazendo, com as leituras e aplicação do que aprendo o caminho ficou mais leve. Uma indicação que posso fazer é desse livro que estou lendo agora. Muito útil para pessoas ansiosas e com medos. Nos próximos posts vou colocar uns trechos dele.

“Seu novo livro, Alegre Sabedoria, aborda a questão atual e atemporal da ansiedade presente em nossa vida diária. Da perspectiva budista de mais de 2 500 anos, Yongey Mingyur escreve: “cada capítulo na história da humanidade poderia ser descrito como “era da ansiedade”, pois a ansiedade que hoje sentimos tem sido parte da condição humana há séculos. Então, o que fazer? Fugir ou desistir? Ambas as alternativas inevitavelmente nos trazem mais complicações e problemas.. “O budismo”, diz ele, “oferece uma terceira opção. Podemos olhar diretamente para as emoções perturbadoras, ou para qualquer uma das dificuldades que enfrentamos, e encará-las como trampolins para a liberdade. Em vez de rejeitá-las ou de nos rendermos a elas , podemos absorvê-las, utilizando-as para, por seu intermédio, atingirmos a vivência autêntica e duradoura da sabedoria, confiança, clareza e alegria que nos são inerentes.”

fonte: https://www.lucidaletra.com.br/products/alegre-sabedoria-abracando-mudancas-e-encontrando-liberdade

Mindfulness, ansiedade, depressão, vícios e cura.

Mindfulness (atenção plena) é uma prática poderosa para enfrentar a depressão, ansiedade e vícios, e levar a cura.

Atenção Plena (mindfulness) é prestar atenção aos seus pensamentos, sentimentos e ações enquanto se abstém de julgar o que for. Com ansiedade e depressão, esses sentimentos costumam ser de medo e tristeza. Esses sentimentos causam sofrimento. Os vícios de todo o tipo são formas de encontrar algum prazer apesar da dor. Vícios prazerosos normalmente levam a mais dor, ansiedade, depressão e outros problemas.

Continuar lendo Mindfulness, ansiedade, depressão, vícios e cura.

Dando boas vindas a sua ansiedade – Meditação e exercício para ansiedade

Damos boas vindas a bons estados de espírito naturalmente.  Com um estado de espírito ruim é mais difícil. Maus humores são professores e nós precisamos aprender a dar as boas vindas a eles para que possamos aprender com eles. Para que você possa dar boas vindas a um humor ou estado de espírito qualquer, você precisa separar a sensação desse humor da história desse humor.

Se você se sente ansioso, precisa dar boas vindas a ansiedade. A atitude que rejeita é mais ou menos assim “Estou ansioso porque/por causa de….” A atitude que aceita é pensar assim: “Estou bem, maravilhoso, perfeito, mas estou sentindo ansiedade nesse momento.” Quando você reconhece que sua ansiedade não vai carregar você para longe da normalidade, você pode apoiar-se nela.

Se você pratica a meditação, então medite com ela. Se você não medita pode se sentar e sentir onde a ansiedade surge no seu corpo. Mantenha o foco nessa parte do corpo e respire. Se você se notar pensando sobre os motivos de estar ansioso, então reconheça esses pensamentos e retorne seu foco a sensação da ansiedade. Você pode fazer isso deitado, tomando banho ou dirigindo o carro. Você sentirá sua ansiedade diminuir e conseguirá obter o entendimento que tudo está bem.

Quando a ansiedade retornar, como sempre faz, dê boas vindas e aprenda com ela de novo.

Traduzido de Zen Mister, com autorização do autor.